Isaías – Lição 1 – Isaías: O quinto Evangelista

No olho da crise e de olho da Redenção

Por: Edicarlos Francisco Godinho

Isaías 1.1-9

Introdução

Esse é o começo da série de estudos sobre a mensagem de Isaías, hoje faremos um estudo introdutório, e por ser um estudo introdutório, vamos conversar sobre 4 assuntos básicos: O contexto histórico; O personagem Isaías; O livro, o manuscrito de Isaías; e A mensagem de Isaías.

Contexto histórico

Vamos ler Isaías 1.1, esse versículo nos dá uma contextualização histórica do profeta Isaías e seu ministério, seu ministério ocorreu durante os reinados de Uzias (Azarias), Jotão, Acaz e Ezequias, que foram reis de Judá.

O período da vida e ministério de Isaías aconteceu durante um período histórico chamado de monarquia dividida, esse período histórico se iniciou apos a morte de Salomão e foi até o cativeiro babilônico durou cerca de 390 anos. Após a morte de Salomão, o reino de Israel foi dividido pelo seu filho Roboão e pelo oportunista Jeroboão após um desentendimento entre os dois, um governou o norte e o outro o sul, o sul era somente a tribo de Judá, e o Norte contava com demais 10 tribos de Israel (Efraim). A tribo de Judá apesar de ser uma única tribo era tão numerosa quanto a soma das demais tribos, assim como geograficamente o território de Judá era praticamente a metade de Israel, como pode ser percebido nos mapas da época. Durante todo esse período histórico, a nação tinha um rei que governava Israel e outro rei que governava em Judá.

O reino de Israel durou cerca de 257 anos de Jeroboão até o cativeiro assírio, nesse tempo, as vezes tinha um rei que temia ao senhor, depois assumia  outro que era perverso, mas nas décadas finais Israel sofreu uma instabilidade interna muito grande com uma série sucessiva de reis completamente perversos fazendo todo tipo de coisa que desagradava a Deus, portanto Deus não era com eles, sofreram golpes políticos, um tomando o trono do outro com assassinato, os assírios se aproveitaram dessa instabilidade e atacam e tomaram a Israel. Por muito tempo Israel pagou impostos pesados para a Assíria. Numa tentativa de retomada pelo povo de Israel, a Assíria acabou por destruir completamente Israel, levando boa parte do povo cativo e, além disso, trazendo habitantes da Assíria e outros povos (babilônicos) para morar em Samaria, era uma estratégia de guerra para evitar uma possível revolta. Detalhe, Samaria era a capital do reino do Norte. O sincretismo religioso de Samaria e o ódio judeu que vemos nos evangelhos foram resultado dessa miscigenação dos israelitas, assírios e babilônicos nesse período.

Quando Israel foi tomada pelos assírios, Judá estava sendo reinada por Jotão (2ª Reis), então percebemos que Isaias foi contemporâneo a queda de Israel. Isaías estava lá, assistiu bem próximo, pois ele estava em Judá. (O reino está dividido, um reino não interferia no outro, portanto Judá não participou das guerras), portanto o reino de Judá ainda durou cerca de 133 anos do cativeiro assírio até o cativeiro babilônico. Mas foram 133 anos de muito sofrimento, com investidas dos assírios, obrigados a pagar tributo, parte da terra foi tomada e dada a reis filisteus.

O próprio livro de Isaías fala pouco sobre seu contexto histórico, o que mais compõe esse contexto são os livros de 2ª Reis, Amós, Oséias e Miquéias que relatam a situação nacional e internacional nos tempos de Isaías, sendo que esses profetas (Amós, Oseias e Miqueias) eram contemporâneos de Isaías. Então para um estudo aprofundado de Isaías não basta ler o livro de Isaías.

Detalhe: Os livros da bíblia não são associados por ordem cronológica, o que as vezes dificulta essa visibilidade, 2ª Reis está lá atrás e Amos, Oséias e Miqueias lá na frente (comparado com o livro de Isaías). Lá atrás temos Esdras, Neemias retratando a saída do povo de Israel do cativeiro babilônico enquanto Isaías, lá na frente está prevendo esse cativeiro.

Sobre o personagem Isaías

Isaías vivia no reino do Sul, no reino de Judá, mais precisamente em Jerusalém sua capital. Provavelmente por isso a maioria das profecias de Isaías foram direcionadas a Judá e sua capital Jerusalém, mas também profetizou para Israel e nações e cidades estrangeiras, inclusive aos impérios da época (assíria e babilônia). A tradição judaica diz que ele era próximo da corte, possivelmente de uma família nobre. O que permitiu que ele estivesse próximo dos reis (Uzias, Jotão, Acaz e Ezequias) durante seu ministério e permitiu também que Isaías estivesse a par da situação mundial.

Isaías viveu entre os séculos 8 e 7 ac. Que compreende o período do reino dividido que falamos anteriormente. Foi citado como Filho de Amoz, porém a bíblia não traz mais informações sobre seu pai. Era casado, possivelmente passou por 2 casamentos, não temos informações sobre a primeira esposa, teve 1 filhos com essa esposa e o nome dele era Sear-Jasube (7.3) que significa “um resto volverá” (virar, voltar) e a segunda esposa foi uma profetisa (8.3), ele teve um filho com ela que se chamou Maer-sall-has-baz (8.1-4), que significa rápido despojo presa segura. Os nomes dos filhos de Isaías representam as conquistas assírias que deixaram só um remanescente sobrevivente em Israel e o reino saqueado. O texto afirma que Deus mandou colocar esse nome no segundo filho, e possivelmente o primeiro filho também tenha sido devido ao seu significado profético.

Isaías teve uma das visões mais surpreendentes sobre Jesus, (Is 6.1-13), João confirma em seu relato no seu evangelho que a visão de Isaias era sobre Jesus (Jo 12.39-41) e não de Deus Pai como alguns possam pensar.  Eu não sei se você notou, mas a capa da revista é uma representação dessa visão. [A mensagem de Isaías: Pecado, arrependimento e salvação. Editora Cultura Cristã. 3° trimestre. 2015. São Paulo.]

Seu ministério se estendeu entre os anos 740 e 690 ac. O que dá Entre 40 e 50 anos de ministério. Segundo a tradição judaica ele foi morto por manasses, filho de Ezequias. A tradição judaica também vai dizer que ele foi serrado ao meio, possível base para Hb 11.37 onde o autor de hebreus fala sobre o fim de alguns dos que compõe a famosa galeria dos heróis da fé.

Sobre o livro e autoria

Isaías é o segundo maior livro da bíblia com 66 capítulos, sendo salmos o maior livro.

É chamado por alguns de “O quinto evangelho”, por isso o título desse estudo, por que o livro de Isaías foi um dos livros mais influentes na formação do judaísmo e cristianismo primitivos, o Novo Testamento começou a ser escrito na segunda metade do primeiro século, então o que os cristãos primitivos têm é o Antigo Testamento, principalmente Isaías, que aborda temas fundamentais da teologia cristã, são mais de 400 citações de Isaías no novo testamento. Alguns teólogos comparam sua estrutura como a de romanos pois retrata a Onipotência, Onisciência e a Obra redentora de Deus.

Alguns fatores como a diferença literária entre algumas partes do livro fazem os estudiosos acreditarem que Isaías pode ter tido vários autores. As argumentações mais fortes são para dois ou três autores. As linhas que defendem 2 autores mostram que as profecias nos capítulos de 1 a 39 concentram-se em Judá e assíria enquanto que as de 40 a 66 concentram-se para um período do cativeiro babilônico, além disso repetições de palavras para demonstrar ênfase, referência das cidades representando pessoas, ou seja um estilo literário diferente. Já os Argumentos para um terceiro Isaías é que os capítulos de 50 a 66 não tratam exatamente de profecias, mas seria um relato histórico de um período de 150 anos mais tarde.

Mais importante do que a autoria do livro é a autoridade do livro, as teorias sobre a autoria não diminuem sua autoridade ou sua canonicidade, principalmente pelas inúmeras citações no novo testamento, principalmente citações feitas pelo próprio Jesus nos evangelhos fortalece a autoridade do livro, como também os cumprimentos dessas profecias atestam que realmente foram dadas por Deus.

Ainda sobre a autoridade do livro de Isaías, queria destacar a atualidade da mensagem de Isaias, o núcleo da mensagem de Deus dada a Isaias continua sendo o núcleo da mesma mensagem que a igreja anuncia sobre o evangelho. O autor da revista vai destacar textos chaves da mensagem de Isaias que mostram como a mensagem de Isaias é atual.

As mensagens de Isaías – Temas chaves dos livros ou Núcleos das mensagens

Remanescente fiel, ainda que o numero dos filhos de Israel seja como a areia do mar o remanescente é que será salvo (Rm 9.27). Aquele que perseverar até o fim será salvo. (Mt 24.13)

A soberania de Deus sobre o destino dos povos, Paulo dedica o capitulo 9 de romanos para falar sobre a soberania de Deus. Um dos princípios mais importantes da teologia cristã é a soberania de Deus e a responsabilidade humana.

A humilhação dos arrogantes e a exaltação de Deus dos que o servem. “Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado” (Lc 14.11). “Deus resiste aos soberbos mas dá graça aos humildes” (Tg 4.6). “Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará”. (Tiago 4:10)

Servo do senhor, Santo de Israel, e O rei messiânico da casa de Davi. É anunciar cristo e o seu evangelho.

O que aprendemos com Isaías:

1) Jesus é o Deus que caminha conosco na nossa história. A ação de Deus se dá na realidade do mundo material, Na situação social e politica, Deus se utiliza das nações estrangeiras pra tratar com a nação de Israel. Como Deus caminhou com Israel ele caminha também com sua igreja, e com cada um de nós individualmente.

2) Isaías titubeou no seu chamado, assim como outros profetas e lideres chamados por Deus no AT. Moisés pediu a Deus para mandar outro no lugar dele, disse que ele era gago. Gideão, como ele colocou a prova o chamado de Deus. Jonas tentou fugir do seu chamado. Para nós isso é comum a nossa natureza humana, as vezes podemos achar que não damos conta do recado, que o chamado de Deus não é pra nós, tentamos se esquivar do chamado, mas Deus tem sim um chamado para nós como membros de sua igreja, como discípulos dele, um chamado pra levar sua palavra, devemos encarar esse chamado com mais coragem e com a mesma humildade de Isaías, que reconheceu o seu pecado, A semelhança de como Jesus purifica Isaías nessa visão, hoje somos purificados por Jesus, no seu sangue. Estamos, portanto, aptos para levar sua mensagem, somos os profetas da nova aliança.

3) Reconhece sua situação pecadora assim como a dos seus irmãos e compatriotas, apenas após esse reconhecimento e a partir da purificação feita por Deus ele é capaz de iniciar seu ministério. Precisamos do mesmo modo reconhecer nossa condição pecadora, que necessitamos da graça e da misericórdia de Deus. Que possamos enxergar também nossos erros, nossos pecados. Temos um advogado junto ao pai, se confessarmos os nossos pecados ele é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar de toda injustiça (1Jo)

4) Temor de Deus diante da sua santidade, “ai de mim, estou perdido”, “Meus olhos viram o Rei, o senhor dos exércitos”. Precisamos nos achegar com temor diante de Deus, respeito, reverencia. Não podemos perder a noção da santidade de Deus e o quanto precisamos buscar a santificação para que possamos nos apresentar diante dele. “Segui a paz e a santificação sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb12.14).

5) A purificação de Isaías com as brasas tiradas do Altar, isso indica que a purificação só poderia ocorrer por meio de um ato divino. Semelhantemente só podemos ser purificados por Jesus, graças ao seu sangue que foi derramado pelos nossos pecados. Sem a intervenção divina por meio de Jesus jamais poderíamos nos achegar a Deus.

6) O cativeiro foi o tratamento de Deus por causa da desobediência do povo, da idolatria, e apesar da imagem desoladora das profecias, as vezes podemos pensar: “puxa Deus está pesando a mão” no final, sempre temos uma palavra de misericórdia de Deus, de manutenção da sua graça sobre o povo. O objetivo de Deus não é destruir o povo, pelo contrário, o objetivo é de dar a salvação. Mas o povo sempre desobedece, se esquece de Deus, Deus castiga porquê… “ Porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe” (Hb 12.6).

Aplicação final

Isaías foi chamado para relembrar o povo da aliança divina. Que possamos compreender que, como igreja, temos o desafio de falar sobre a aliança de Deus conosco. Uma nova aliança que foi feita pelo sangue de Jesus. Que a partir de tudo que vamos aprender sobre a mensagem de Isaías durante toda essa revista possamos refletir sobre a responsabilidade que Deus coloca sobre cada um de nós de anunciar a sua mensagem.

Por: Edicarlos Francisco Godinho

Referencias Bibliográficas:

A mensagem de Isaías. Pecado, arrependimento e salvação. Souza, R. F. Revista Expressão. Editora Cultura Cristã. São Paulo. nº59/3° trimestre de 2015.

Biblia Shedd: Antigo e Novo Testamentos. Russell Shedd. 1997.

Introdução ao Antigo testamento. William S. Lasor, David A. Hubbard, Frederic W. Bush. Editora Vida Nova. São Paulo. 1999.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *