ESTUDOS DIRIGIDOS 39 – 1° ESTUDO – SÉRIE: Sermão do Monte

ESTUDOS DIRIGIDOS 39

1° ESTUDO – SÉRIE: Sermão do Monte

TEXTO BASE: MATEUS 5:13

INTRODUÇÃO: Após o ensino sobre as “Bem Aventuranças” Jesus dá continuidade a Seu sermão e passa a mostrar a influência e a responsabilidade de Seus seguidores neste mundo. No texto lido Jesus utiliza a figura do sal, um elemento em sua época que possuía um grande valor e era considerado um elemento puro, utilizado como oferenda cúltica, um dos sinais da Aliança de Deus com os homens. Leia Lv 2.13. Era tão valioso no Império Romano que os soldados o recebiam como pagamento, surgindo daí a palavra salário.

PARA REFLETIR: Usado para conservar e temperar mantimentos, o sal era utilizado também como remédio e produto de limpeza. No entanto, o sal que era obtido às margens do mar Morto facilmente adquiria um gosto insosso e se corrompia devido a mistura maior de gesso ou restos de plantas, por isso não podia ficar muito tempo armazenado. O Talmude, por sua vez informa que o sal que não era puro para os rituais era lançado nos degraus ao redor do templo para impedir que o terreno se tornasse escorregadio e assim era pisado pelos homens. Assim também, de acordo com Jesus, a vida cristã sem autenticidade dificilmente tem o uso digno.

NA PRÁTICA: O cristão é comparado por Jesus ao sal. Se insípido, como fazê-lo adquirir o sabor que deveria lhe ser natural? Assim também fomos criados com o propósito de honrar e fazer o Nome de Cristo reconhecido e amado entre os homens. Se não cumprimos nossa missão em obediência a Cristo, significa que não temos agregado sabor ao Mundo. Leia Mc 9:50. Ao cristão é dado ser aquele que preserva o mundo através de sua confissão de fé e prática. Por sua vez, ao deixar de preservar os princípios eternos instituídos por Deus em Sua Palavra, ao negligenciar sua responsabilidade e deixar de viver conforme as orientações Bíblicas e a não se submeter ao governo do Espírito Santo, o cristão está sujeito ao escárnio, vergonha e humilhação, ou seja, ser pisado pelos homens. Muitas de nossas ansiedades relacionais se devem ao fato de não sermos verdadeiros no que professamos. A autenticidade cristã tem como consequência a paz de uma consciência tranquila e provê autoridade e legitimidade aqueles que assim procedem. Um cristão nominal jamais trará preservação e sabor ao mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *