ESTUDOS DIRIGIDOS 48-10° ESTUDO – SÉRIE: SERMÃO DO MONTE- TEXTO BASE: MATEUS 6: 2-4

ESTUDOS DIRIGIDOS 48

10° ESTUDO – SÉRIE: SERMÃO DO MONTE- TEXTO BASE: MATEUS 6: 2-4

 

INTRODUÇÃO: Dar esmolas é uma prática da justiça inerente à fé judaica nos dias de Jesus. Ele, no entanto, faz um forte apelo a discrição, à modéstia, à sobriedade e à sensatez religiosa. Alguns ricos e religiosos hipócritas dessa época procuravam capitalizar a admiração e assim, receber louvor dos demais. Jesus propõe a desafetação, despretensão e a espontaneidade no ato de atender ao necessitado e aconselha a dar a esmola em segredo, para que apenas Deus seja testemunha da generosidade.

PARA REFLETIR: Jesus expõe uma maneira para se conter o perigo da auto glorificação, o Senhor não condena o fato de ajudar alguém nas “sinagogas” ou “ruas”, lugares onde pobres e mendigos frequentavam para obter ajuda. Leia Jo 9:1,8 e At 3:2,  Jesus condena as atitudes daqueles que se aproveitam da visibilidade desses lugares e situações para obter glória própria. Os cidadãos do reino dos céus não buscam simples reputação de piedade, mas sim, um caráter verdadeiramente piedoso, cheio de compaixão e amor para com o necessitado.

NA PRÁTICA: Jesus ensina a não sair por aí contando suas virtudes, Ele rejeita as motivações daqueles que usam da sutileza de suas ações para ganhar a admiração e glória dos homens. Um dos grandes males de nossos dias no meio cristão é o narcisismo e uma de suas expressões práticas é o protagonismo, ou seja, a necessidade de colocar as ações em evidência. Para nós cristãos, no entanto, tudo o que fazemos deve resultar em glória a Deus. Devemos nos lembrar da Síndrome de Lúcifer: a tentativa de usurpação da Glória de Deus gera soberba, corrupção e consequente, queda. Leia Is 42:8. Seja generoso pelo motivo correto, leia II Co 9:6,7. Seja sempre generoso com o necessitado, leia  Pv 11:25.  Faça de sua generosidade um culto a Jesus, leia Mt 10:42.

Conectando – Estudo 5 – Batismo e Ceia

Leitura Bíblica:  Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Mt. 28:19

O Senhor Jesus instituiu, segundo crêem todos os protestantes, só duas ordenanças ou dois sacramentos para sua igreja: O Batismo e a Ceia (Mt. 28:18-20; Lc. 22:19,20; 1 Co. 11:23-26). Há ainda outros cinco que talvez você tenha ouvido falar sobre eles: confirmação, penitência, ordenação, matrimônio e extrema unção. Estes foram intro­duzidos pela Igreja Católica no Concílio de Trento (1545-1563).No Antigo Testamento havia dois sacramentos: a circuncisão e a Páscoa, que são os correspondentes do Batismo e Santa Ceia no Novo Testamento.

 Batismo

“O batismo é a ordenança ou o sacramento no qual o lavar com água em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, sig­nifica e sela a nossa união com Cristo, a participação das bênçãos do pacto da graça e a promessa de pert­encermos ao Senhor” (Breve Catecismo, pergunta 94).

O batismo é um símbolo. Um símbolo é alguma coisa material a qual se dá um significado espiritual. Água é um símbolo de purificação (Jo. 3:5; 7:38). Tratando-se do batismo cristão a água é, no dizer de Ago­stinho (um teólogo do século IV), um sinal visível de uma graça invisível. Essa água não contém em si mesma qualquer virtude milagrosa ou sobrenatural para fazer do pagão um cristão. O poder regenerador não está na água, mas na ação do Espírito Santo.

Batismo é uma instituição divina, ordenada pelo Senhor Jesus, após haver terminado o trabalho de reconciliação e depois de haver recebido a aprovação do Pai na ressurreição. (Mt. 28:18-20; Mc. 16:15,16). No batismo a pessoa batizada é simbolicamente introduzida ‘no nome de Cristo’, isto é, torna-se seu discípulo, ou seja, entra num estado de lealdade a Ele e de comunhão com Ele.

Os chamados “pais primitivos” consideravam o batismo como o rito de iniciação na Igreja, e normal­mente o consideravam como estreitamente ligado ao perdão de pecados e à comunicação da nova vida.

O Batismo pode ser administrado de duas maneiras:

-Por Imersão- os imercionistas crêem que o indivíduo tem que ser mergulhado na água.

-Por Aspersão- os efusionistas crêem que a água deve ser aspergida sobre o indivíduo.

 Observação: Em nossa comunidade adotamos o batismo por imersão, mas concordamos que o batismo por aspersão é coerente e bíblico mesmo porque há situações onde se torna impossível o batismo por imersão.

Porque devemos receber o Batismo?

    • Por que foi um mandamento de Jesus para testemunhar nossa pública confissão de fé. (Mt.28:19)

Como saber que uma pessoa já pode ser batizada?

  • Quando demonstra externamente uma realidade operada internamente pelo Espírito Santo, precedido por ações como:

– Crer em Jesus. (At. 8:36-38)

– Confissão de pecados.(Mt.3:6)

– Testemunho de vida e pelos frutos. (Mt.7:16-23)

Ceia do Senhor

“A Ceia do Senhor é uma ordenança, um sacramento no qual, dando-se e recebendo-se pão e vinho, conforme a instituição de Cristo anuncia-se a sua morte; e aqueles que participam dignamente tornam-se, não de uma maneira corporal e carnal, mas pela fé, participantes do seu corpo e do seu sangue, com todas as suas bênçãos para o seu alimento espiritual e crescimento em graça”.

Há quatro diferentes narrativas da instituição da Ceia do Senhor, uma em cada um dos evangelhos sinóti­cos (Mateus, Marcos e Lucas), e uma em I Coríntios 11. A nova ordenança estava ligada ao elemento central da refeição pascal. O pão e o vinho foram substituídos em simbolismo pelo corpo e sangue de Jesus.

 Os significados da Ordenança

Uma das características da ordenança é que ela representa uma ou mais verdades espirituais mediante sinais perceptíveis e externos.

  1. a) É uma representação simbólica da morte do Senhor.
  2. b) Simboliza também a comunhão do cristão com o Cristo crucificado.
  3. c) Representa não somente a morte de Cristo como objeto de fé, mas também o efeito desse ato, dando vida e fortalecendo a alma.
  4. d) Simboliza a união dos crentes uns com os outros.

Os selos da Ordenança da Ceia

 A Ceia do Senhor não é apenas um símbolo, mas também um selo. Um selo que nos leva a relembrar o sacrifício de Cristo para nos oferecer o perdão que nos trouxe reconciliação com Deus (Ef. 2:12,13). A Ceia do Senhor nos lembra também de que o sacrifício de Cristo derrubou os “muros” que nos separavam do nosso próximo. Portanto, na Ceia somos lembrados que podemos e devemos ter comunhão com Deus e com os irmãos.

  1. a) Sela para o participante, o grande amor de Cristo.
  2. b) Assegura ao participante as promessas da aliança.
  3. c) Garante ao participante que as bênçãos da salvação são suas.
  4. d) Um selo recíproco.

Quem pode participar

 Quando Paulo escreveu sua primeira carta aos coríntios (11:28-30), deixou orientações sobre a participação na Ceia. Segundo ele, somente os que sabem discernir o Corpo podem participar da Santa Ceia e rece­berem dela os benefícios que ela concede. O corpo aqui não é nosso corpo físico, mas o Corpo de Cristo, ou seja, a Igreja.

Quem ainda não foi inserido na Igreja de Cristo (a invisível), não consegue entender o real significado dela, não consegue entender a missão da Igreja. Enfim, quem não faz parte do Corpo, também não deve co­mungar da Ceia, que uma das maiores expressões da comunhão do Corpo com sua Cabeça.

Conectando – Estudo 4 – A Igreja Batista Vale Verde: História, Votos e Propósitos

História de nossa Igreja:

 A Igreja Batista Vale Verde nasceu no dia 24 de Julho de 2005, a partir de um núcleo infantil na residência do Pastor Anderson de Alvarenga onde permaneceu por seis meses. Sua missão inicial era a evangelização de crianças e o atendimento aos seus familiares através de ações comunitárias, ao oferecer cursos de violão e informática, estudos bíblicos, aconselhamento cristão e pastoral, além de suas celebrações sempre espontâneas e informais.

Cremos na importância de uma educação e formação cristãs desde a infância e, portanto nos esforçamos para alcançar as crianças de nossa região através da pregação da Palavra de Deus com uma linguagem simples e atrativa, voltada às suas expectativas, necessidades e compreensão.

Após este período alugamos o galpão da Rua Dalva de Matos, 133 onde passamos nosso primeiro Ano Novo juntos nas novas dependências. Algum tempo depois, no dia 11 de Março de 2007, com o objetivo de organizar-se legalmente, realizou-se a Assembléia de fundação jurídica da Igreja.

Já sob uma nova realidade, nossa missão passa a incluir o objetivo de alcançar os sem igreja ao nosso redor, promovendo entre eles o Reino de Deus em seu mais amplo aspecto e extensão, direcionando-os à interação com toda a comunidade de fé.

Como resultado, percebemos um envolvimento dos vizinhos e amigos da Igreja nas atividades e manutenção do trabalho, a cumplicidade de nossos membros e a parceria com outras igrejas.

Adquirimos o imóvel ora locado, uma infra-estrutura e mobiliário adequados, equipamentos de som e multimídia modernos para maximizar o aprendizado, mas fundamentalmente contamos com uma equipe de líderes em constante treinamento que dinamizam a missão da Igreja e fomentam as diretrizes do Reino de Deus.

Agora, nossa missão mais uma vez está sendo ampliada para priorizar o atendimento familiar com cursos como: Aliança, Homem ao Máximo, Mulher única, Educação de Filhos à maneira de Deus, Conectando, Módulos da Comunhão, Palavra, Oração e Vida Simples.

No dia 04 de Agosto de 2013 concluímos a construção, inauguramos e consagramos o Templo da Igreja Batista Vale Verde ao Senhor.


Nosso Objetivo é: Crescer para Servir.

Nossa Missão é: O Cuidado e o Bem Estar Integral da Criança, do Adolescente e Sua Família.

Nossos Propósitos são: Adoração, Comunhão, Discipulado, Evangelismo e Serviço.

Nossa Declaração de Propósito é: Nosso Ministério Existe para Alcançar pessoas sem Igreja; para as Conectar com outras pessoas, Ajudá-las a Crescer, Desafiá-las a Descobrir Seus Ministérios e a Celebrar a Deus com suas Vidas.

Nossos Valores como Igreja são: Fidelidade à Bíblia, Dinamismo, Sensibilidade às Pessoas, Presença na Comunidade, Missões.

Nossos Votos como Igreja são: Trate seriamente com o pecado, Não seja dono de coisa alguma, Nunca se defenda, Nunca passe adiante algo que possa prejudicar alguém, Nunca aceite qualquer glória.

1º voto – Trate seriamente com o pecado

Leitura Bíblica: I João 1:1-10

Nosso primeiro voto coloca o pecado na perspectiva correta, ou seja, ele é o mesmo antigo inimigo da alma (Ez.18:4b) e para tratar seriamente com o pecado devemos, além de confiar no poder remidor do Sangue de Jesus Cristo, precisamos contar com a ajuda das disciplinas espirituais e desenvolver atitudes positivas contra o pecado. Portanto, todo pecado deve ser IDENTIFICADO, NOMEADO e REPUDIADO. Os três “Ps” representam as formas mais amplas de se identificar os pecados: PODER, que é a confiança e o amor à segurança que o dinheiro oferece nos afastando da dependência divina. PRAZER, que são as punções, desvios e todo tipo de desordem de orientação sexual que contaminam o nosso interior, o hedonismo. E o PRESTÍGIO que é o encantamento com as luzes da fama, a vaidade, e toda forma de culto que coloca o homem no lugar que pertence a CRISTO. Precisamos ter fé que Deus está fazendo uma grande obra em nossas vidas e nunca desistir diante da força e persistência do pecado que nos assedia a todo o tempo.

Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; (I João 2:1)

2º Voto: Não seja dono de coisa alguma

Leitura Bíblica: Mateus 6:19,20

Nosso segundo voto nos alerta sobre os perigos que cercam a sensação de posse, a necessidade de acúmulo de coisas e bens e a importância indevida dada a valores transitórios ao que chamamos de MATERIALISMO. Não é pecado possuir coisas, mas devemos administrá-las como acréscimo dado naturalmente por Deus através de nosso trabalho e não dar a essas coisas lugar central em nossas vidas. Essa sensação de posse e controle pode também ocorrer em relação a pessoas o que é igualmente fruto de uma relação egoísta. Portanto liberte-se do TER e exercite o SER.

“porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” (Mateus 6:21)

3º voto: Nunca se defenda

Leitura Bíblica: Isaías 54:17

Esse voto parte da perspectiva de que a segurança de nossa reputação está em Deus. Uma consciência PURA diante de Deus traz consigo a PAZ necessária que nos habilita a viver uma vida sem a preocupação de se defender e se justificar de acusações ou difamações de quem quer que seja inclusive de Satanás. Todos nós temos o ímpeto de nos defender seja por uma questão de sobrevivência, afirmação ou de preservação moral. Caso queira se defender Deus permitirá, mas trata-se de uma tarefa pesada e inútil, pois justificativas, via de regra produzem desgastes relacionais e mais desconfiança. Além disso, você pode realmente obter um efeito contrário. Portanto, não se justifique, sofra o dano. Permita que Deus te defenda (Ex. 23:22). Crucifique seu orgulho, crucifique sua reputação, crucifique sua dignidade. Deus lhe enviará o auxílio necessário. Ele te justificará, te defenderá das acusações falsas, injúrias, objeções, invejas e das acusações verdadeiras, pecados, falhas no caráter e fraquezas, pois estamos escondidos em Cristo. (Col 3:3). É verdade que às vezes Deus permite que sejamos perseguidos, humilhados e que mesmo inocentes experimentemos o caminho da CRUZ, para nos provar, para nos exaltar e nos manter dependentes d’Ele. Por que o lugar mais alto para se estar é aos pés da cruz.

“só existir entre vós demandas já é completa derrota para vós outros. Por que não sofreis, antes, a injustiça? Por que não sofreis, antes, o dano?” (I Co 6:7)

4º voto: Nunca passe adiante algo que possa prejudicar alguém

Leitura Bíblica: Tiago 1:26

Nesse voto A.W. Tozer afirma que “O fofoqueiro não tem lugar no favor de Deus. Se você sabe alguma coisa que possa vir a obstruir ou ferir a reputação de um dos filhos de Deus, enterre-a para sempre…”. O amor cobre multidão de pecados (1 Pe 4.8). Se você quer que Deus seja bondoso com você, terá também de ser bondoso com seus outros filhos (Mt 7:2). Eleanor Rosevelt, coerentemente afirmou que: mentes pequenas discutem pessoas, mentes medianas discutem eventos e mentes grandes discutem idéias. Portanto não empreste seus lábios e seus ouvidos à FOFOCA, “porque o SENHOR abomina o perverso, mas aos retos trata com intimidade.” (Prov 3:32). Em Tiago 3:6 lemos: “Ora, a língua é fogo; é mundo de iniquidade”; a língua está situada entre os membros de nosso corpo, e contamina o corpo inteiro, e não só põe em chamas toda a carreira da existência humana, como também é posta ela mesma em chamas pelo inferno”.

Cuidado com os pecados da LÍNGUA, não se esforce para descobrir o segredo, “O mexeriqueiro descobre o segredo, mas o fiel de espírito o encobre. (Prov. 11:13). Por outro lado, se você perceber algum comportamento inadequado de um irmão, o procure pessoalmente e o confronte. Caso ele não te ouvir faça o que Jesus ensinou em Mateus 18:14-18.

“A língua, porém, nenhum dos homens é capaz de domar; é mal incontido, carregado de veneno mortífero. (Tiago 3:8)

5º voto: Nunca aceite qualquer glória

Leitura Bíblica: Isaías 42:8

Nosso último voto trata de nossas motivações no culto, no trabalho na Casa do Senhor e em nossas interações relacionais no ambiente de nossa fé cristã. Nosso cuidado em todo o tempo deve ser o de zelar para que nosso CORAÇÃO não seja tentado a receber a honra e a glória que pertencem unicamente ao Senhor Jesus. (João 3:30). Somente Deus sabe lidar com o poder, nem anjos, nem homens conseguiram lidar com a admiração advinda de sua beleza ou talentos. Por sua vez a tentativa de usurpação da glória que é devida a Deus gera soberba, corrupção e QUEDA. Esse é o efeito da chamada Síndrome de Lúcifer. Portanto aprenda a lidar com a admiração dos outros, não receba a glória, não esteja entre bajuladores ou entre aqueles que buscam a admiração dos homens. Dê toda honra e toda glória a Deus na pessoa de Jesus Cristo.

“…Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!” (Romanos 11: 33-36)


Bibliografia

  • A. W. Tozer. Cinco votos para receber poder espiritual. Editora dos Clássicos: 2004. 1ª Edição, São Paulo.

Conectando – Estudo 3 – Eclesiologia

A palavra igreja, (eklesia) na Bíblia, tem dois sentidos. Por vezes, refere-se a todo o grupo de salvos do mundo, isto é, à igreja em toda parte do mundo. Outras vezes, refere-se a um determinado grupo de crentes de certo lugar, a igreja de uma localidade. Muitas vezes ela é chamada de “Corpo de Cristo”.

Isso significa que todos os crentes são parte do Corpo Espiritual de Cristo, o qual dá testemunho de Jesus ao mundo de hoje. O trecho de 1 Coríntios 12.1-27 explica essa importante doutrina, e mostra que todos os membros são necessários para que o corpo cresça, e se torne eficiente.

  1. O que é a Igreja?

O Corpo de Cristo (Cl. 1:24)

  1. Qual a posição de Cristo em relação à Igreja e qual a nossa posição?
    • Cristo é o cabeça (Cl. 1:18)
    • Nós somos o corpo. (I Co. 12:27)

Uma grande mente (Cristo), em um corpo temporariamente limitado (Igreja).

  1. Qual a natureza da Igreja?
    •  A Igreja invisível: Consiste do numero total de eleitos que já foram, dos que agora são e dos que ainda serão remidos em um só corpo. (At. 2:39)
    • A Igreja visível: Consiste de todos aqueles que, pelo mundo inteiro, professam a verdadeira religião (Fé no Senhorio de Cristo) (I Co. 1:2)
    • A Igreja é o povo de Deus. (I Pe. 2:9-10)

A Igreja Nominal é aquela cuja espiritualidade é infrutífera, com ritos e cerimônia meramente exteriores, cujas práticas não se apóiam no Evangelho.

  1. Quais as Ordenanças da Igreja?
  • A Ceia do Senhor. (Mt. 26:26-29)
    • Para anunciar, relembrar e renovar a Nova Aliança com Cristo.
  • O Batismo. (Mt. 28:19,20)
    • Como testemunho público do nascimento para viver uma nova natureza.

 

  1. Qual o objetivo da celebração da Ceia do Senhor? 
  • Relembrar o sacrifício de Jesus para a nossa salvação? (I Co. 11:24,25)
  • Anunciar a Sua morte em nosso lugar até que Ele venha outra vez. (I Co. 11:26)

 

  1. Por que a Igreja é necessária?
  • Para que haja uma organização dos crentes: Nosso Deus não é Deus de desordem e é lógico que não é da sua vontade que haja confusões. Leia 1 Coríntios 14.33 e Atos 6.
  • Fornece aos crentes a oportunidade de comunhão – A comunhão dos crentes entre si é uma ordem de Deus. “Não deixemos de congregar-nos…” (Hebreus 10.25)
  • Oferece condições para que o crente seja ensinado. É importante que conheçamos as doutrinas da nossa fé para que possamos crescer na vida espiritual.
  • Dá-nos oportunidade de adorar a Deus em grupo. Deus deseja e exige de nós um louvor constante, e em amor. O culto em grupo, com cânticos e louvor a Deus, tanto serve para honrar o Senhor, como contribui para o nosso crescimento espiritual.
  • Dá-nos oportunidade de trabalhar para o Senhor. A Igreja constitui um local onde podemos exercitar os dons que Deus nos deu. Ali podemos trabalhar, juntamente com outros, na pregação do Evangelho ou em outros projetos. Deus ordena que façamos boas obras, as quais demonstram nossa fé. 
  1.   Quais são os deveres de um membro da Igreja?
  • Fazer discípulos. (Mt. 28:18-20)
  • Não contrair jugo desigual. (IICo. 6:14-18)
  • Prestar ao Senhor um culto individual e coletivo. (Mt. 6:6, At. 2:42-47)
  • Praticar a Mordomia Cristã. (II Coríntios 9.7)

Conectando – Estudo 2 – Trindade

O Termo Trindade não aparece na Bíblia, trata-se de um Dogma da Fé Cristã, um Mistério que só pode ser compreendido em termos de um relacionamento entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Quando de sua criação, o homem é então convidado a participar da Comunhão Trinitária.

O Termo grego utilizado por João Damasceno, um dos pais da Igreja, para representar a Trindade e explicar essa relação é Pericorese, que significa rotação, girar em torno de, coabitação, dança em círculo.

A Trindade é a compenetração das pessoas, é um recíproco estar no outro. Esta ação de amor não está fechada em si, mas aberta a toda Criação e este deveria ser nosso estilo de viver. A Criação de Deus é marcada pela diversidade. Em todas as dimensões do Universo encontramos algo parecido, mas sempre com um aspecto diferente do outro, sempre um complementando o outro.

O mundo não é dividido, mas diversificado. A Trindade não é dividida, mas há uma diversidade de pessoas e essa simbologia nos desafia a viver uma Espiritualidade Inclusiva, Interativa, Cooperativa ao aceitar o outro, sem querer dominá-lo ou excluí-lo. Essa compreensão sobre a Trindade nos aproxima do Mistério Trinitário e amplia nossa concepção sobre o semelhante promovendo respeito, cumplicidade e identificação.

  1. Quem é Deus?

 A Bíblia diz que o nosso Deus é uma Trindade Santa e Perfeita – I Pe 1:2,   II Co 13:13. Leonardo Boff afirma que: “A Trindade é a Melhor Comunidade.”

  1. Como se manifesta?
  • Deus Pai (Javé, Jeová, IHWH)

O grande Eu Sou – Ex. 3:14

Criador – Rm. 1:20

Pai – Mt. 6:9

  • Deus Filho (Jesus)

Filho de Deus – João 5:17-18

Salvador – Mt.1:21

Cordeiro – Jo. 1:29

Pão da vida – Jo.  6:35

Luz do mundo – Jo. 8:12

  • Deus Espírito Santo (Parákletos ou Consolador)

Agente na obra da salvação como:

Convencedor – Jo. 16:7-11

Regenerador – Tt. 3:4-7

Habilitando o homem a crer – ICo. 12:3

Consolador – Jo. 16:7

Intercessor – Rm. 8:26

Concede à Igreja os dons – ICo. 12:4-11

  1. Como Deus se revela ao Homem?

Revelação na Criação – Rm. 1:19,20

Revelação na Salvação: através de Jesus Cl. 2:9; na reconciliação com Deus IICo. 5:19

Revelação Pessoal : através do Espírito Santo – Rm. 5:5

4. Os Atributos de Deus:

 Atributo: O que é próprio de um ser. A qualidade atribuída ao sujeito.

Como podemos conhecer os Atributos de Deus?

Através da Bíblia: Ela nos revela Deus através de sua ação ali relatada.  (Ex. 3:14)

  • Através da Criação: (Rm. 1:20)
  • Através da Percepção Humana: Fé e experiências cristãs.
Quais são estes Atributos?
  • Exclusividade: não existe outro igual (Dt. 6:4; Is.45:18; ICo.8:4 -6)
  • Verdade: Que tem vida e existe de fato, é genuíno, sem mistura e alteração. (ITs.1:9)
  • Perfeição: que reúne todas as qualidades concebíveis. (Mt. 5:48)
  • Imutabilidade: Não sujeito a mudança. (Tg. 1:17)
  • Eternidade: Que não tem principio nem fim. (ITm. 1:17)
  • Onipotência: que pode tudo. (Jó. 37:23)
  • Onisciência: que sabe tudo. (Dn. 2:22, Rm.11:34)
  • Onipresença: que está presente em todos os lugares ao mesmo tempo.  (Sl.139:7-12)
  • Liberdade: que age por si mesmo, ilimitado e superior a todos. (Sl. 115:3, Ef. 1:11)
  • Santidade: santo, separado do mundo. (Is. 6:3)
  • Amabilidade: sentimento de dedicação absoluta de um ser a outro. (IJo. 4:8-16)
  • Justiça: conforme à justiça (capacidade de julgar segundo o direito e melhor consciência), à equidade (disposição de reconhecer a igualdade e direito de cada um), à razão (capacidade de julgar e ponderar idéias) (Na. 1:2,3)
  • Auto-suficiência: (At. 17:24,25)
  • Humanidade: identificou-se com a raça humana por meio de seu esvaziamento, (Doutrina da Kenosis) (Fil. 2:7; Ef.4:13)
Conclusão

O nosso Deus tem todas as qualidades para ser digno do nosso culto, serviço e obediência.

(Sl.150:6, Mt. 4:10, Ap. 5.11-14, 7.11,12)

Conectando – Estudo 1 – Soteriologia

Soteriologia é o estudo da doutrina da salvação humana. A palavra é formada a partir de dois termos gregos: (Soterios) que significa salvação e (logia) que significa estudo. A salvação dada por Jesus não é algum produto perecível, sua ação na vida do homem em termos de salvação é definitiva. Neste estudo veremos que Cristo é o salvador, Ele não será apenas hoje, mas o será para sempre, em virtude disto, você pode ter certeza de que o céu será sua morada eterna.

A Salvação em Jesus Cristo

Como o pecado entrou no mundo? (Gn. 3:1-19, Sl. 51:5)

O pecado trouxe conseqüências para o relacionamento do homem com Deus (Is. 59:2, Rm 3.23)

A Morte: Biológica/Espiritual/Morte Eterna (Rm 6:23)

Por isso o homem se tornou escravo do pecado (Jo. 8:34), havendo assim a necessidade de reconciliação do homem com Deus.

A salvação marca para nós o início de um RELACIONAMENTO com Deus, de filho para Pai.

  1. Como o homem pode se tornar filho de Deus?
    • Pela graça de Deus. (Ef 2:8)
    • Pelo amor de Deus. (Jo 3:16)
    • Recebendo e crendo em Jesus. (Jo 1:12, Gl. 3:26)

É verdadeiramente maravilhoso pensar que Deus nos ama tanto que nos OFERECE o perdão, retirando de nós o fardo de culpa e desespero.

  1. Como os nossos pecados podem ser perdoados?
    • Através do sangue de Jesus. (Mt 26:28, Cl. 2:13)
    • Porque pelo sangue? (Hb 9:22)
    • Arrependendo. (At 3:19)
    • Confessando-os. (I Jo 1:9)
  1. Como o Cristão pode ter certeza da salvação?
    • Através da fé em Jesus (I Jo. 5:11-13)
    • Pela promessa da não rejeição (Jo. 6:37)
    • Pela confirmação do Espírito Santo (Rm. 8:16)
    • Por não viver na prática do pecado. (IJo. 3:9) 

O pecado deve ser como um “acidente” na vida do crente que é nova criatura e TEM a vida eterna. (Jo 3:36)

  1. Resultado da salvação em Jesus Cristo:
  • Desejo de conhecer mais a Deus e a sua Palavra (I Pe 2:2 ; I Jo2:3)
  • Um crescente amor por outros crentes, e a busca da comunhão com eles (I Jo 3:14 ; Ef 2:19)
  • Vida eterna (Jo 3:16; I Jo 5:11-13)
  • Vida transformada (II Co 5:17)
  • Ter o desejo de testemunhar (falar a respeito de Jesus) (II Co 4:13)
  • Liberdade (Rm 6:22)
  • Paz (Rm 5:1)