ESTUDOS DIRIGIDOS 35 – Série: As Bem Aventuranças. “Bem aventurados os que os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.” 6º Estudo

ESTUDOS DIRIGIDOS 35

Série: As Bem Aventuranças. “Bem aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.” 6º Estudo

Oração:

Texto: Mateus 5:7

Introdução: Nossa jornada pelas ”Bem Aventuranças” nos trouxe até um dos mais desafiadores Princípios Eternos ensinados por Jesus Cristo. Misericórdia é, literalmente, sentir com o coração (cardia) as misérias do outro.
A misericórdia não é uma virtude natural do homem. O homem é por natureza, mau, cruel, egoísta, vingativo, incapaz de exercer uma misericórdia verdadeira.
Naquela manhã, ao pé do monte, estariam alguns romanos, mas a maioria era de judeus que se julgavam espiritualmente superiores, contudo em termos de misericórdia em nada eram melhores que os próprios romanos. Por sua vez para os romanos a misericórdia era um sinal de fraqueza. Em um ambiente onde a misericórdia é mal compreendida ela não tem eficácia.

Para Refletir: Precisamos entender que misericórdia é um atributo de Deus, Deus é misericordioso. Só podemos exercer misericórdia se essa for gerada em nós por Deus através do seu Espírito Santo na medida em que nos relacionamos com Cristo. Leia Lucas 6:36. A misericórdia não é piedade. Ajudar o necessitado sem amor ou por tradição não é misericórdia. Misericórdia é “entrar” no coração do outro sem considerar suas virtudes ou defeitos, sentir sua dor ou necessidade e fazer tudo ao seu alcance para suprir essa necessidade, sem esperar nada em troca por isso.

Na Prática: Para alguém ser misericordioso é necessário sentir o amor pelo próximo. Sem esse amor não existe misericórdia verdadeira. Leia I Jo 4:8. Esse tipo de amor não tem lastro na religião ou no berço. Ele flui de um relacionamento com Cristo e transborda no relacionamento com os homens. Lembre-se do Bom Samaritano. (Lc 10:30-37) Os misericordiosos são aqueles que aprenderam a amar a Jesus de todo o coração no serviço ao necessitado. Geralmente associamos misericórdia à pobreza material, mas um Cristão verdadeiro vê além da situação social. Ele vê pessoas que estão separadas de Deus pelos seus pecados e destinadas ao inferno. Isso o move a testemunhar do amor e sacrifício de Cristo. Ele entende em seu coração que precisa compartilhar seu maior tesouro, a salvação, com outro miserável pecador. Daniel T. Niles disse que a evangelização é representada por “um mendigo contando a outros onde encontrou pão”. Leia Efésios 2:1-3.  Bem aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. Ser misericordioso é ser sensível às pessoas.

Oração:

Lucas 5:29-32 – Jesus come com pecadores

Nesse texto temos o relato de que Levi, mais conhecido como Mateus, oferece a Jesus um grande banquete em sua casa, fato que acontece logo após a sua vocação apostólica.  Levi convida também outras pessoas a participarem desse banquete, além de Jesus temos um grupo de fariseus e escribas; um grupo de publicanos; e outros ainda. Mais adiante veremos que dentre estes “outros” encontram-se alguns discípulos de João Batista.

Um grande banquete para um grande número de pessoas, o que comprova que Mateus realmente tinha muitas posses, afinal, ele era um cobrador de impostos, um publicano. Eram cargos de confiança em que os empregados já eram provavelmente ricos, e enriqueciam ainda mais ilicitamente.

Eu imagino que Mateus estivesse muito feliz porque reconheceu que Jesus era o Messias, o que nem os religiosos da época reconheceram, feliz também por ter recebido uma vocação apostólica e ainda mais feliz por poder sentar-ser a mesa para comer com Deus! Um prazer que só vamos ter quando estivermos com Ele nas bodas do Cordeiro.

Esse banquete significou uma espécie de festa de despedida, afinal de contas, o que Mateus fez não tinha volta, ele abandonou seu cargo público. Mateus iria fazer um seminário de 3 anos e meio com Jesus. Essa atitude de Mateus me fez lembrar de Eliseu que quando foi chamado por Deus através de Elias, fez um grande banquete para o povo com sua junta de bois, queimou o equipamento de arar a terra para usar como lenha para cozinhar a carne. Eliseu sabia que o que ele estava fazendo não tinha volta. Me parece que foi com o mesmo sentimento que Mateus fez aquele banquete.

Então os convidados chegam para o banquete, os fariseus percebem que ali a muitos publicanos e, como sempre não perdem a oportunidade de criticar, murmuram com os discípulos de Jesus por estarem comendo com pecadores, se referindo aos publicanos que para eles não passavam de ladrões, traidores da nação. Jesus entendendo que a pergunta era pra ele, responde sabiamente: “Os sãos não precisam de médico e sim os doentes” e complementa dizendo: “Eu não vim chamar os justos e sim os pecadores ao arrependimento”.

Poderíamos dizer que nessas duas frases de Jesus temos que, a primeira frase é uma pequena parábola e a segunda frase a explicação dessa parábola. Interpretando temos que: Quem é o médico? Jesus. Quem são os doentes? Os pecadores. Qual a doença? O pecado. Qual o remédio? O arrependimento. E quem são os sãos? Ironicamente falando, os sãos são os fariseus e escribas porque eles são pecadores mas consideram a si mesmos como justos.

O pecado é a grande doença da humanidade e o pecado é uma doença que não tem sintoma, não dá febre, dor, nem manchas na pele. Então por não apresentar sintomas, o doente, pecador, acha que está tudo bem. No entanto o pecado traz consequências terríveis para o ser humano, como disse Isaías em Is 59:2. “fazem separação entre vós e o vosso Deus”, e nos casos mais graves da doença, a morte, como diz Paulo em Rm 6:23 “o salário do pecado é a morte” e Tiago em Tg 1:15. “o pecado uma vez consumado gera a morte”. Porém Jesus veio ao mundo para trazer a cura para a humanidade, como Ele mesmo diz em Jo 3:16,17. “para que todo aquele que n’Ele crer não morra…”

Muitas doenças tem cura quando diagnosticadas a tempo, ignorar a doença não resolve o problema, a pessoa precisa ser medicada. Assim é o pecado, Jesus pode salvar o pecador independente do estágio do pecado mas o pecador precisa fazer o tratamento: Trate seriamente com o pecado!

Não devemos brincar com o pecado, ele é prejudicial a nós, causa separação entre nós e Deus, cuidado com os 3 P’s! Prazer, poder e prestígio que o mundo oferece. O prazer, poder e prestígio são os 3 elementos nos quais estão atrelados todas as fraquezas do ser humano. O poder, geralmente ligado ao amor ao dinheiro, afasta o homem da dependência divina, como Jesus mesmo disse: “É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus”. O prazer geralmente associamos a desordem sexual, mas é mais que isso, pode ser tudo que dá prazer e que o homem coloca em primeiro lugar em sua vida, que gera um vício. A gula dá prazer, um hobby dá prazer, ou até mesmo o trabalho da prazer, tem gente que trabalha 15 horas por dia e aí não tem tempo pra Deus, igreja e etc. O prestígio está relacionado com a fama, vaidade, desejo de ser reconhecido, beleza exagerada. Não pense que não tem gente assim dentro das igrejas, por isso precisamos tomar cuidado com os cargos de liderança onde as pessoas ficam em evidencia.

Só o Espírito Santo de Deus pra convencer o homem do pecado, ninguém pode convencer-se a si mesmo. Haviam muitos publicanos ali, será que todos se converteram? Acredito que não, mas quando Jesus chama alguém para a salvação, esse reconhece que Jesus é o filho de Deus, esse reconhece que é pecador e que precisa de Jesus, assim foi Mateus pois o chamado de Jesus é irresistível.

Nós vimos Jesus curar um paralítico e perdoar os pecados dele. A cura visível fez com que todos se maravilhassem mas o milagre invisível do perdão dos pecados e da salvação só gerou indignação das pessoas, assim as pessoas também se indignaram quando viram Jesus comendo com quem eles consideravam pecadores. Vemos dois sérios problemas na crítica dos fariseus:  O Primeiro e mais grave problema é que eles não enxergaram que eles também eram pecadores, ou você acha que eles estavam se incluindo na pergunta? Claro que não. Lembra da parábola do fariseu e do publicano em Lc 18:9, eles se achavam justos? Aprendemos com isso que precisamos tomar o cuidado de não cometer o mesmo erro hoje em dia, achando que somos melhores que o não crente, também somos pecadores, obviamente pecadores arrependidos mas sujeitos ao pecado do mesmo modo. O segundo problema é o da segregação que se dá de forma religiosa, racial e social. Havia uma medida protetiva de Deus para que o povo de Israel não se corrompesse com os costumes pagãos dos outros povos. A interpretação errônea dos judeus sobre o fato de serem “povo de Deus” levou a nação a um comportamento extremista da segregação e impediu que eles mesmos influenciassem positivamente os outros povos. Jesus quebrou esse paradigma comendo com os pecadores. Os judeus procuravam a salvação pela segregação, no entanto, Jesus salva pela graça em meio a comunhão, abertura e inclusão. Como poderíamos segregar se nós mesmos fomos incluídos, enxertados na videira verdadeira, Paulo fala sobre a inclusão em em Rm 9:25,26. Há muitos que se dizem evangélicos com esse pensamento exclusivista, que só eles são salvos, só eles são santos, dizem: esse aqui é irmão e aquele lá é primo… lamentável!

Aplicações

1° O senhor nos chama para segui-lo assim como chamou Mateus. Seguir Jesus não é caminhar atras dele para ver seus milagres e buscar maneiras de criticar suas ações. Seguir é se relacionar com ele, se comprometer com ele, é aprendizado, é discipulado, é um chamado para dar continuidade a sua missão de levar o evangelho as pessoas. Dentro dessa pequena parábola que vimos, onde nos encontramos nela? Somos os pecadores que estão em tratamento, conhecemos o remédio que é o arrependimento e o evangelho, conhecemos o supremo médico Jesus. Vamos deixar outros doentes morrerem? A nossa missão é levar a verdade do tratamento às pessoas, crendo que o Espírito Santo convencerá aqueles que nos ouvem. Lembre-se do que Jesus disse sobre quem põe a mão no arado. Que um dia possamos falar como Paulo falou: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé”.

2° Que fazemos parte de uma comunidade inclusiva e não exclusiva. Não devemos ser contaminados com as coisas do mundo, mas devemos influenciar  o mundo positivamente com o evangelho de Jesus. Nós temos que levar o evangelho de Jesus aos nossos familiares, parentes, amigos, colegas de trabalho, faculdade e escola. A igreja não é um clube fechado ou sociedade secreta! Tem pessoas que se convertem e acham que se tornam agentes secretos, se enclausuram, não expõem o evangelho. Temos que fazer como Mateus que, ao se converter, cria oportunidades para que as pessoas ouçam o evangelho, convidando seus amigos publicanos pra comer com ele como uma desculpa para ouvir Jesus. Os amigos de trabalho dele estavam lá, o texto diz que haviam numerosos publicanos, provavelmente os familiares e amigos também estavam. Que façamos o mesmo!

3° Nós, como servos de Jesus, também estamos sujeitos a oposição e críticas. Isso aconteceu com Jesus, aconteceu com os apóstolos e também vai acontecer conosco. A vida do cristão é uma vida intimamente ligada a perseguição, essa é uma verdade clara do evangelho, e essa oposição se dá de várias formas, no oriente ainda há morte, no ocidente a perseguição é crítica, é ideológica. Não deixe que estas críticas impeçam você de levar o evangelho até eles. O que aprendemos em nossa comunidade de fé sobre críticas recebidas? Devemos nos defender? nos justificar? Não! Nunca se defenda! Não se justifique! Não foram os discípulos que responderam as críticas dos fariseus mas foi Jesus. Deixe que Jesus te defenda.

 

 

ESTUDOS DIRIGIDOS 34 – Série: As Bem aventuranças. “Bem aventurados os que os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos.” 5º Estudo

ESTUDOS DIRIGIDOS 34

Série: As Bem aventuranças. “Bem aventurados os que os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos.” 5º Estudo

Oração:

Texto: Mateus 5:6

Introdução: A justiça de Deus é baseada em valores como misericórdia e amor. Ela está fundada em santidade e é incomparavelmente elevada em relação à justiça humana. Ler Is 64:6. Ter fome e sede da justiça de Deus significa desejar com o mais íntimo do ser, como a maior de todas as necessidades. Você tem sede e fome de justiça? O sentimento que deve antecipar sua resposta deve ser um desejo de se santificar e apresentar sua vida como um sinal do favor de Deus aos homens. Se seu interior tem essa sede e fome você será farto! Aleluia!

Para Refletir: Sentir fome e sede faz parte da natureza humana. Sentir fome e sede de justiça faz parte das demandas inerentes ao caráter cristão. É uma necessidade que só será plenamente satisfeita na busca de um relacionamento baseado na fé em Cristo. Ler Rm 1:17. Pensamos em Justiça mais em termos de punição e condenação, porém a justiça de Deus deve ser entendida dentro dos aspectos da redenção e salvação possibilitadas por Cristo.

Na Prática: Buscai primeiro – Ler Mt 6:33. Faça de sua busca pela justiça de Deus uma prioridade como Jesus ensina. Isso significa que buscar o reino e a justiça de Deus deve ocupar o lugar de prioridade em sua agenda. Nunca aceite qualquer glória – Nosso quinto voto nos exorta a tomar cuidado com a justiça própria! Ela pode vir de modo dissimulado. Travestida de atos de justiça. Não dê aos desejos de seu coração a glória devida a Deus. Sua justiça deve estar submissa à justiça divina. Seus atos, mesmo os mais dignos de louvor entre os homens devem evidenciar a Glória de Deus. Devem mostrar a Jesus Cristo aos homens. Confie, descanse e espere – Você será farto! Quando olhamos para o testemunho dos patriarcas e profetas, que muitas vezes morreram sem ver cumprida a promessa percebemos que Deus invariavelmente cumpre seus planos. Ele não se atrasa. Não se descuida. Ele não muda de ideia. Nossa esperança não se limita a tempos e estações. Ler Apoc 21:1-7. Temos a certeza de que seremos fartos, ainda que momentaneamente não o sintamos, pois é Jesus quem nos garante.

Oração:

ESTUDOS DIRIGIDOS 33 – Série: As Bem aventuranças. “Bem aventurado os mansos” 4º Estudo

Oração: Veja o verso para os motivos de oração dessa semana.

Texto: Mateus 5:5

Introdução: Hoje iremos destacar a mansidão nas bem-aventuranças. Aqui em Mateus nesse momento possivelmente Jesus está fazendo uma alusão ao salmo 37:11. Em um mundo onde o ódio, orgulho e egoísmo estão tão evidentes, falar sobre mansidão é remar contra a maré. Na bíblia vemos dois destaques de pessoas que foram consideradas mansas no seu caminhar. Primeiro Moises (Números 12:3) e o segundo é o nosso maior exemplo Jesus Cristo (Mateus 11:29). Mas o que vem a ser uma pessoa mansa?

Para Refletir: Segundo dicionário Aurélio online mansidão é:  Brando de gênio, pacífico de índole. / Tranquilo, plácido, sossegado./ Domesticado, amansado. / Cultivado, não silvestre. Há quem associe manso a fraco, ou covarde, o que na realidade é um erro. Manso, mais que tudo, é uma das qualidades do Espírito Santo (Gálatas 5:22). A mansidão é uma característica que advém da entrega do nosso ser a Deus. A mansidão não é própria da natureza humana é uma qualidade que se adquiri quando entregamos nossos caminhos a Jesus Cristo. Estamos vendo que toda bem aventurança tem uma recompensa. No caso do manso, o prêmio é herdar a terra. Essa terra não só desrespeito a esse lugar que estamos pisando, mas o reinado eterno do nosso amado Messias Jesus Cristo. Ser cidadão desse reino eterno implica em ter como qualidade do nosso caráter a mansidão.

 

Na Prática: 1º Enxergue a vida sob o ponto de vista de Deus. Muitas vezes o que nos deixa irado é a forma como vemos cada situação. Nossa vida começa a ficar chata ou estressante, porque olhamos para ela a partir desse tempo histórico somente, o agora. Mas é necessário olhar sob a perspectiva de Deus, percebendo que esse tempo que estamos vivendo não se compara com a gloriosa eternidade que experimentaremos na presença do nosso Deus. Afinal somos cidadãos do céu, mas com uma responsabilidade de refletir o caráter desse reino aqui na terra hoje. 2º Ponha em ordem sua vida. As vezes o nosso descontrole que expressa a nossa falta de mansidão, está muito relacionado também com a nossa falta de organização. Vivemos uma vida desregrada, sem disciplina, sempre atrasados com nossas tarefas e horários, culminando num stress, raiva, descontrole emocional e etc. Dessa forma será muito difícil conseguir refletir a mansidão que Jesus nos ensina nessa bem-aventurança. 3º Cultive a humildade. As duas passagens mais importantes sobre a mansidão, está relacionada diretamente com a humildade. Tanto aqui no sermão do monte, quanto em Mateus 11:29. A humildade ou o reconhecimento do senhorio de Cristo na nossa vida, faz enxergarmos a vida de forma diferente, com mais boa vontade para com o próximo, a família, a congregação e etc. Apresente a Jesus para o seu amigo, a partir da qualidade da mansidão que há em você!

Motivos de Oração:

FAMÍLIA

  • Ore pelos seus vizinhos
  • Ore pelos membros da família que ainda não são crentes.
  • Ore por um membro da sua família que está enfermo.
  • Ore pelos seus professores ou do seu filho (a).

IGREJA

  • Ore pelos vizinhos da igreja
  • Ore pelo EXTREME 2016
  • Ore pelo conselho Gestor
  • Ore pelos projetos que a igreja apoia (Cemu, Jovens infratores, igreja Betesda)
  • Ore pelos membros de nossa igreja para que sejam “mansos”.

SOCIEDADE

  • Ore pelo Senado Federal.
  • Ore pelo Juiz Sérgio Moro e toda equipe da Lava-Jato.
  • Ore para que caia por terra a potestade que atua através do Estado Islâmico.
  • Ore para que Deus abra porta para os que estão desempregados.

 

ESTUDOS DIRIGIDOS 32 – Série: As Bem aventuranças. “Bem aventurado os que choram…” 3º Estudo

ESTUDOS DIRIGIDOS 32
Série: As Bem aventuranças. “Bem aventurado os que choram…” 3º Estudo
Oração:
Texto: Mateus 5:4
Introdução: Ao pronunciar a segunda Bem Aventurança, Jesus faz uma afirmação surpreendente. Como alguém que está triste e chorando pode realmente ser feliz? Para os que não conhecem a Deus estas palavras não fazem nenhum sentido. Por mais que vivam sorrindo e se alegrando com as coisas do mundo, eles são, na verdade, infelizes e miseráveis. Não há uma “bem aventurança” para eles, pois não têm consciência do próprio pecado. Acerca deles o próprio Cristo afirma: ” Ai de vós os que agora rides, porque haveis de lamentar e chorar!” Leia Lc.6.25b. Você é uma pessoa que chora por ter consciência de que é um pecador? Qual a última vez que você chorou por que pecou? Você já experimentou a felicidade por se sentir um pecador perdoado e amado por um Deus Santo?
Para Refletir: O sentido dessas palavras de Jesus à luz da elevada ética de Seu Reino é que felizes são aqueles que choram e lamentam ao reconhecer seus próprios pecados. Por iluminação do Espírito Santo o crente consegue olhar para dentro de si mesmo e perceber o quanto ele está em rebeldia contra a Santidade de Deus. Ele reconhece que seu pecado o afasta de Deus e essa consciência provoca em seu íntimo angústia, choro e dor. O homem natural não se sente assim. O homem espiritual reconhece sua miséria e passa a entender que depende do perdão de Cristo. Nossa Bem aventurança ou Felicidade Espiritual está no fato de que fomos iluminados quanto ao nosso pecado, mas ao mesmo tempo fomos alcançados pelo perdão de Jesus. Glória a Deus!
Na Prática: Trate seriamente com o pecado: 1) Se a consciência do pecado não te aflige há algo errado em seu coração. Leia I Jo 1:10 2) Descoberto algum tipo de pecado em sua vida confesse-o e deixe-o. Identifique, nomeie e repudie o pecado. Leia I Jo 1:9 e Prov. 28:13 3) O Espírito Santo se entristece quando o crente peca. Leia Ef 4:30 4) Todos estão sujeitos ao pecado. Leia I Co 10:12,13 5) Não confie em suas próprias forças nem em seu coração Leia Jr 17: 5 e 9 6) Ande em Espírito Leia Gal 5:16. 7) Confie no cuidado e consolo de Jesus Cristo todos os dias. Leia Is. 61:1,2.
Oração:

ESTUDOS DIRIGIDOS 31 – Série: As Bem aventuranças. “Bem aventurado os humildes de espírito” 2º Estudo

Texto: Mateus 5:1-12

Introdução: – Hoje falaremos sobre os humildes de espírito, mas o que vem a ser uma pessoa humilde de espírito? O humilde de espírito é aquele que reconhece que nada tem, nada pode e nada é. Ao se deparar com o Senhor, tem consciência do seu estado espiritual. Trata-se da dependência interior, que reconhece o Senhorio de Cristo. A riqueza, orgulho e arrogância muitas vezes impedem pessoas de desfrutar do privilégio da dependência de Deus. Mas Jesus está dizendo que os cidadãos do reino de Deus são felizes em se submeter ao domínio de Cristo.

Para Refletir: Você se considera uma pessoa humilde de espírito? A imagem que quero apresentar para ilustrar é a de um mendigo, que normalmente possui a roupa do corpo e alguns trapos, ele depende totalmente das ações bondosas do outro. Assim é o pobre de espírito. Quando está diante de Deus, olha para si e percebe que não tem nada e depende totalmente da ação de Deus em seu favor.  Ser pobre de espírito não é uma questão de opção e sim de constatação. Quando se está diante da riqueza da glória de Cristo, não a outra coisa a fazer a não ser nos recolhermos em humildade.

Na Prática: 1º Centralize Cristo no seu coração. Leia Mateus 6:21 – Não há pecado em ser rico materialmente, o problema é quando coloco o amor aos bens e a segurança da minha vida em primeiro lugar. Um grande exercício que devemos fazer é de constantemente resgatar a centralidade de Cristo no nosso coração. Jesus sempre precisa ser a motivação que nos leva a tomar nossas decisões. A nossa riqueza é Cristo. 2º Tenha um encontro diário com Jesus em oração – Leia Mateus 6:9-13 –Uma das formas de externarmos a humildade ou reconhecimento da nossa dependência de Cristo é diariamente separarmos um tempo para a oração. A oração diz muito sobre como está nossa humildade espiritual. Existe uma prática que infelizmente é muito comum na sociedade: “eu só busco a Deus quando estou precisando de alguma coisa”. Essa forma de agir não deve ser uma realidade para nós cristãos, pois a oração nos coloca no lugar correto, a dependência do relacionamento com Cristo. 3º Duas evidências exaltadas pela humildade de espírito.

  • A verdadeira humildade exalta o próximo, Filipenses 2.3-4 – A humildade nada mais é do que a manifestação plena e perfeita do amor cristão, que é amar ao próximo como a si mesmo ao invés de preocupar-se egoisticamente só com seus próprios interesses, Mateus 23.12.
  • A verdadeira humildade exalta a graça de Deus, I Co 15.9-10. – A verdadeira humildade confere à graça de Deus o devido valor quando esta transforma vidas e atitudes.

ESTUDOS DIRIGIDOS 30 – Série: As Bem aventuranças. “Bem aventurado”1º Estudo

Texto: Mateus 5:1-12

Introdução: Vamos iniciar a partir de hoje uma serie de estudos sobre as bem-aventuranças, que estão contidas no chamado “sermão do monte”. O evangelho de Mateus tem dois propósitos principais: 1) Testificar que Jesus era o Messias da promessa do A.T. 2) Apresentar a missão messiânica de Jesus em trazer o Reino de Deus até os homens. Aqui então no Sermão do Monte temos uma descrição íntima do crente. Não mostrar ao homem como ser salvo, mas apresentar as características manifestas por aquele que nasceu de novo.

Para Refletir: A palavra Bem-aventurado vem do Grego:” Makarios” e quer dizer, feliz, abençoado. Você se considera uma pessoa feliz? Onde encontra-se a sua felicidade? O que precisamos fazer para sermos pessoas bem-aventuradas? Como esse é o primeiro estudo, veremos a títulos introdutórios algumas lições práticas e nas próximas lições veremos ponto a ponto do que Jesus está falando sobre ser bem-aventurado.

Na Prática: 1º Tenha Jesus como seu Rei e Senhor Leia Apocalipse 19:16 – Se as bem-aventuranças são princípios do reino que Jesus vem inaugurar e estabelecer entre os homens, só é possível me sujeitar a uma postura de obediência a esses princípios se reconheço Jesus como Rei e Senhor.Você reconhece Jesus como Senhor e Rei da sua vida? Se sim, a sua postura deve ser coerente com os princípios desse reino. 2º Coloque em prática os ensinamentos de Jesus – Leia Tiago 1:22 – Aprendemos que mudança só é mudança, quando muda alguma coisa. Lemos que Jesus falava para uma multidão, mas nem todos na multidão são conhecidos como discípulos, pois discípulo é aquele que houve a voz de Cristo e coloca em prática seus ensinamentos. Deixe de estar só entre a multidão e passe a ser discípulo de Cristo. Pratique a palavra de Deus e seja bem-aventurado. 3º É melhor ser do que ter Leia Mateus 6:19-21 O ensino do sermão do monte e sobretudo as bem-aventuranças está nos ensinando uma postura correta daquele que recebeu a Cristo como Senhor e Salvador e passou a ser cidadão do Reino de Deus. E para esse cidadão a importante missão, não é obter coisas para juntar tesouros perecíveis e sim ser reconhecido como alguém semelhante a Jesus. 4º Busque a sua felicidade em Cristo Leia Salmo 1:1-2 O hedonismo é uma marca da nossa geração, pessoas em busca do prazer, em busca de ser feliz. Mas o cristão entende que foi chamado não para ser feliz e sim para glorificar a Deus e fazer Jesus conhecido através de suas atitudes. Portanto reconheça que sua felicidade está em Cristo, cumprindo a vontade de Deus, sendo imitador de Jesus e assim um cristão melhor.